terça-feira, 10 de dezembro de 2013

13 fatores que as pessoas fortes não praticam

Na busca pelo crescimento profissional, as pessoas esquecem de exercitar o lado humano. Veja a seguir os 13 fatores que as pessoas fortes não praticam. 


1. Sentir pena de si
Como lidar: pare de pensar que você não é bom o bastante. Ser adulto é lidar com obstáculos maiores que você. Você pode errar, perder, tomar decisões ruins, se deparar com pessoas poderosas, de nariz empinado, mas isso não o faz pior do que ninguém. Tome os caminhos certos, mas se pegar um errado, encare as consequências de cabeça erguida.

2. Deixar os outros lhe controlarem
Como lidar: não permita que ninguém coloque você para baixo — seja namorado(a), chefe, amigo ou familiares. O poder está nas suas mãos, só você tem o poder de controlar o que acontece com você, mas algumas pessoas vão tentar impedir você. Seguindo a lógica bíblica do “se o braço lhe faz pecar, corte-o”, se algo lhe deixa infeliz, abandone.

3. Preferir manter as coisas como estão
Como lidar: abrace as mudanças. É onde o melhor da vida está: atrás das cortinas do desconhecido. Assim como você não pode saber se uma comida é boa sem provar, ou se um livro é bem escrito sem ler, não dá para conhecer o melhor da vida sem viver. Seja flexível e mantenha o pensamento positivo para afastar o medo do desconhecido. É claro que não é 100% certo que mude para melhor, mas é possível extrair algo de bom até em experiências ruins. Uma coisa é certa: sem tentar, o homem nunca conseguiu nada.

4. Reclamar de coisas que não dependem de você
Como lidar: reclame menos de coisas que você não pode mudar. Essa é uma das melhores receitas contra o mau humor e a frustração. O trânsito está um caos? Ficar irritado não mudará nada. Pegue um ônibus, vá de bicicleta, mude de emprego ou de casa, respire fundo e encare. Você não vai mudar o mundo, mas mudando de atitude poderá vê-lo de uma forma diferente.

5. Se esforçar para agradar os outros
Como lidar: seja você mesmo. Fingir ser alguém que você não é demanda um esforço enorme. E o pior, ser o queridinho do chefe, não vai lhe render uma promoção — gerar resultados vai. Não fique evitando as pessoas por não gostar de dizer não, ninguém gosta, mas faz parte. Saber dizer é sinal de responsabilidade e transparência, saber receber é maturidade. Tente ser justo e gentil, lembre-se que como você fala é mais importante do que você fala.

6. Fazer coisas sem pensar
Como lidar: tome decisões conscientes. Saiba onde você está pisando. Não tome decisões precipitadas que acabarão em erro e frustração depois, planeje as ações com cuidado e calcule se compensa correr o risco. É melhor pensar demais do que pensar de menos.


7. Pensar muito no passado
Como lidar: viva hoje. Ninguém vive de reprise. Pense que sempre o melhor está por vir. Foque no presente, trace metas para um futuro próximo e saiba que a única função do passado é servir de experiência para se projetar o futuro. Enquanto você estiver olhando para trás, nunca andará para frente

8. Cometer o mesmo erro várias vezes
Como lidar: aprenda com cada erro, ele é o sinal de que algo precisa ser corrigido. A maioria das pessoas precisa errar pelo menos duas vezes antes de fazer algo a respeito, e isso é um problema. Cada erro consome uma carga emocional que você não vai querer desperdiçar. Além de tempo para a retomada. Seja crítico consigo , você é o seu melhor professor.

9. Se chatear quando alguém próximo conquista algo
Como lidar: alegrar-se com as conquistas dos outros; se for difícil demais, use como motivação e pense “se ele conseguiu, eu também consigo”. Esteja 100% comprometido com o seu sucesso. O jogo pode ser sujo, mas não é por isso que você tem que se jogar na lama. Reconheça que os outros também têm seus méritos e tente ficar feliz por eles. O trabalho em equipe sempre levará a resultados maiores do que o individualismo.

10. Desistir no primeiro fracasso
Como lidar: reconheça o fracasso como parte do processo. As pessoas poderão contar quantas vocês você caiu, mas elas não são você. Quebrar a cara não é algo que pode acontecer, é algo que vai acontecer e é melhor que seja no começo.

11. Detestar ficar sozinho
Como lidar: passe mais tempo consigo fazendo as coisas que gosta. Poder passar um final de semana em casa sozinho não é um pesadelo, é um privilégio. É impossível obter autoconhecimento e crescer como pessoa sem momentos de reflexão. E é quando você está acompanhado apenas de si que as mais poderosas reflexões acontecem e o entendimento vem. Pessoas intimistas costumam ser mais criativas, tomam melhores decisões e compreendem melhor os outros. Aprenda a apreciar sua própria companhia, é a única pessoa que você é obrigado a conviver até o fim da vida.

12. Achar que merece mais do que tem
Como lidar: seja mais humilde e esforçado. Você nasce pelado e morrerá assim se não souber aproveitar as oportunidades. Os seus pais são os únicos que precisam lhe ajudar (até certo ponto), o resto é como você. Não espere que as pessoas enxerguem o seu melhor, mostre a elas. Se você é o melhor do setor, preste atenção no seu comportamento, no seu discurso e na forma como lida com as pessoas. As pessoas não lhe devem nada, mas elas farão questão de pagar se você tiver algo valioso a oferecer.

13. Querer tudo para ontem
Como lidar: tenha em mente que tudo na vida tem um tempo de maturação. Com as habilidades e o tempo certo, coisas maiores e mais duradouras são construídas. Ao definir prazos, peça a opinião das pessoas, negociando um prazo que seja bom para todos.

Texto extraído do artigo: “13 things mentally strong peopledon’t do” 


Comente este artigo aqui

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Como convencer, sem aborrecer

Aprenda a aumentar seu poder de persuasão

Você é um cara competente, habilidoso e acabou de ter uma ideia supimpa: um produto que promete sacudir o mercado. Acontece que, para colocá-la em prática, precisa de uma verba extra para a área de marketing. Na esperança de que a empresa libere o dinheiro, você entra na sala do diretor. Ele mede você de cima a baixo, solta um suspiro aborrecido e dispara: "O que é?" Você explica e... Bem, seu projeto é boicotado.

Como pode? Tem gente do seu lado que não prima pelo talento nem pela inteligência, mas que parece conseguir tudo o que quer - de um aumento de salário até um investimento de milhões de dólares. Você se pergunta: o que eles têm que eu não tenho? A resposta é: lábia. Existem profissionais que, com um discurso afiado, conseguem convencer qualquer um sobre qualquer coisa. Para ser bem-sucedido, é preciso persuadir as pessoas o tempo todo. Veja alguns conselhos para transformar resistência em aprovação:

1 ) Escolha a hora certa de falar. Para aumentar suas chances de ser ouvido com atenção - sem ser tratado a pontapés -, ligue o radar e observe se o seu interlocutor está disposto a conversar. Não adianta nada interpelá-lo quando ele estiver de mau humor, com pressa ou muito atarefado.

2 ) Abaixo o improviso! Antes de soltar o verbo, elabore uma estratégia de ação eficaz. Entre em campo para ganhar, mesmo sabendo que o jogo será difícil. Prepare-se, treine o discurso e certifique-se de que não irá esquecer nada importante.

3 ) Não vá direto ao assunto. Tente quebrar o gelo nos primeiros minutos de conversa, fale sobre generalidades. Mas não enrole muito: ninguém tem tempo a perder.

4 ) Quando começar a falar, não dispare como um fuzil Isso revela ansiedade e insegurança. Fale pausadamente e, sobretudo, acredite no que está dizendo.

5 ) Não abra mão do senso de humor. Isso gera empatia e torna o clima mais amistoso. Mas não force a barra. Fazer um comentário ou uma piada fora de hora ou de contexto - ou, sobretudo, sem graça - pode ter efeito contrário, provocando antipatia e desconforto. Se você não é um sujeito espontâneo e espirituoso, esqueça esse tipo de recurso.

6 ) Use o nome da pessoa no decorrer da conversa. Isso cria um vínculo mais pessoal com o interlocutor. Quando é chamada pelo nome, a pessoa se sente prestigiada e mais aberta ao diálogo.

7 ) Use um amortecedor verbal. Se a pessoa discordar de suas colocações ou tiver uma opinião contrária à sua, seja sutil ao contra-argumentar. Não ataque com frases do tipo "Não é bem assim", "Você não entendeu" ou "Você está errado". Diga algo na linha do "Entendo sua opinião e creio que, além disso, deveríamos considerar..." A partir daí, defenda sua posição.

8 ) Evite assuntos polêmicos. Durante a conversa, fuja de temas que levem a debates acalorados ou controvérsias, como política, religião ou o último campeonato de futebol.


9 ) Inicie a conversa fazendo perguntas que exijam um sim como resposta. Uma sequência de respostas afirmativas pode conduzir a mente do interlocutor, aumentando as chances de conseguir um sim para sua idéia principal.

Fonte: Você S/A


Comente este artigo aqui

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Motivar só não basta. É preciso Mudar.


Motivação é algo que precisamos ter todos os dias de nossa vida. Para acordar, sair, trabalhar, estudar, brincar, conversar. Para qualquer coisa que se faça é preciso motivação. Precisamos de um motivo.
O que precisa nos motivar a ir trabalhar e fazer o melhor que pudermos é exatamente o motivo que nos leva a ir trabalhar todos os dias. Complicado? Não. É simples. Não existe motivador no mundo capaz de fazer você se motivar se detesta o que faz. Se não faz por amor, com vontade, por prazer.
Dinheiro motiva? Depende. Você acha que a pessoa mais rica do mundo se motiva por ganhar dinheiro. O que o motiva é exatamente o prazer de fazer o que faz, todos os dias. As pessoas são motivadas a trabalhar para ganhar dinheiro, comprar coisas, pagar contas. Isto já foi e é amplamente difundido, mas acredite, não é só isto.
Motivar alguém é incutir na pessoa a necessidade de mudar. Mostrar que para mudar é preciso ter atitude, disciplina, vontade e principalmente um motivo que os faça verdadeiramente mudar.
Se você NÃO MUDA, VOCÊ não se motiva. Apenas adia a sua frustração. Pense nisto. O que o faz motivar é o sentido que se quer dar a sua vida. Ter um objetivo é fundamental. Um foco definido, uma missão.
Quer contratar um palestrante que o motive? Contrate alguém que possa ajudá-lo a mudar. Só um detalhe. Se você não quiser mudar, palestrante nenhum vai fazê-lo mudar de idéia. Só quem pode mudar de ideia é você mesmo.


Fonte Exame. Com 


Disponível em: Blog do Management 



Comente esse artigo aqui

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

6 atitudes que matam a criatividade

 01 – Ficar preso à rotina
Buscar novas referências, conhecer pessoas novas. Visitar lugares diferentes estimula a criatividade, daí o problema de ficar preso ao hábito.

02 – Ter medo de errar
O medo de errar é péssimo na medida em que você faz convergir para uma solução muito rápida. “Sem dedicar tempo para buscar alternativas”. 

03 – Sofrer da “síndrome do apego à primeira ideia”
É preciso saber que há linhas de pensamento e o ideal é conhecer o máximo possível destas linhas para só então decidir qual é a mais adequada para aquele momento.

04 – Manter o foco na realização
O risco de manter o pensamento focado na execução é que você só responde a pergunta “o que fazer”, mas não sabe o propósito daquilo.

05 – Ficar à espera da ideia genial
É mais importante ter boas e constantes idéias do que ficar esperando pela ideia do gênio.

06 – Nunca ter tempo 
Quando você não reflete, não acha soluções novas, isso acaba destruindo o potencial criativo.

Fonte: Revista Exame

Texto na íntegra disponível aqui



Comente esse artigo aqui

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

O que é uma startup?

Nem toda nova empresa é uma startup. Saiba quais são as características que definem este tipo peculiar de empreendimento
Tudo começou durante a época da bolha da Internet, entre 1996 e 2001. Apesar de usado nos EUA há várias décadas, só na bolha ponto-com o termo "startup" começou a ser usado aqui no Brasil. Significava um grupo de pessoas trabalhando com uma ideia diferente que, aparentemente, poderia fazer dinheiro. Além disso, "startup" sempre foi sinônimo de iniciar uma empresa e colocá-la em funcionamento.
Mas e hoje, o que os investidores chamam de startup?
Muitas pessoas dizem que qualquer pequena empresa em seu período inicial pode ser considerada uma startup. Outros defendem que uma startup é uma empresa com custos de manutenção muito baixos, mas que consegue crescer rapidamente e gerar lucros cada vez maiores. Ou uma empresa que tem a possibilidade de não dar certo. Mas há uma definição mais atual, que parece satisfazer a diversos especialistas e investidores: uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza. Apesar de curta, essa definição envolve vários conceitos:
- Um cenário de incerteza significa que não há como afirmar se aquela ideia e projeto de empresa irão realmente dar certo - ou ao menos se provarem sustentáveis.
- O modelo de negócios é como a startup gera valor - ou seja, como transforma seu trabalho em dinheiro. Por exemplo, um dos modelos de negócios do Google é cobrar por cada click nos anúncios mostrados nos resultados de busca. Um outro exemplo seria o modelo de negócio de franquias: você paga royalties por uma marca, mas tem acesso a uma receita de sucesso com suporte do franqueador - e por isso aumenta suas chances de gerar lucro.
- Ser repetível significa ser capaz de entregar o mesmo produto novamente em escala potencialmente ilimitada, sem muitas customizações ou adaptações para cada cliente. Isso pode ser feito tanto ao vender a mesma unidade do produto várias vezes, ou tendo-os sempre disponíveis, independente da demanda. Uma analogia simples para isso seria o modelo de venda de filmes: não é possível vender a mesma unidade de DVD várias vezes, pois é preciso fabricar um diferente a cada cópia vendida. Por outro lado, é possível ser repetível com o modelo pay-per-view - o mesmo filme é distribuído a qualquer um que queira pagar por ele sem que isso impacte na disponibilidade do produto ou no aumento significativo do custo por cópia vendida.
- Ser escalável é a chave de uma startup: significa crescer cada vez mais, sem que isso influencie no modelo de negócios. Crescer em receita, mas com custos crescendo bem mais lentamente. Isso fará com que a margem seja cada vez maior, acumulando lucros e gerando cada vez mais riqueza.
Os passos seguintes
É justamente por esse ambiente de incerteza, (até que o modelo seja encontrado), que tanto se fala em investimento para startups - sem capital de risco, é muito difícil persistir na busca pelo modelo de negócios enquanto não existe receita. Após a comprovação de que ele existe e a receita começar a crescer, provavelmente será necessária uma nova leva de investimento para essa startup se tornar uma empresa sustentável. Quando se torna escalável, a startup deixa de existir e dá lugar a uma empresa altamente lucrativa. Caso contrário, ela precisa se reinventar - ou enfrenta a ameaça de morrer prematuramente.
Startups são somente empresas de internet? Não necessariamente. Elas só são mais frequentes na Internet porque é bem mais barato criar uma empresa de software do que uma de agronegócio ou biotecnologia, por exemplo, e a web torna a expansão do negócio bem mais fácil, rápida e barata - além da venda ser repetível. Mesmo assim, um grupo de pesquisadores com uma patente inovadora pode também ser uma startup - desde que ela comprove um negócio repetível e escalável.

Fonte: Revista Exame – Editora Abril 


Comente esse artigo aqui

Bloqueios à criatividade

Nós somos condicionados pelo ambiente em que vivemos além das nossas experiências e emoções. Os bloqueios mentais são obstáculos que nos impedem de perceber corretamente o problema ou conceber uma solução. Muitos profissionais têm problemas no dia a dia por causa deles, é também pela ação destes que nos sentimos incapazes de pensar algo diferente, mesmo quando nossas respostas usuais não funcionam mais. Alguns bloqueios são criados por nós mesmos: temores, percepções, preconceitos, experiências, emoções, etc. Outros são criados pelo ambiente: tradição, valores, regras, falta de apoio, conformismo, entre outros. Os bloqueios mentais podem ser classificados em cinco categorias:


Bloqueios culturais: Barreiras que impomos a nós mesmos, geradas por pressões da sociedade, cultura ou grupo a que pertencemos. Eles nos levam à rejeição do modo de pensar de pessoas ou grupos diferentes. Alguns destes bloqueios:
  • Nós não pensamos ou agimos deste jeito aqui.
  • Nosso jeito é o certo.
  • Respeitamos nossas tradições.
  • Não se mexe em time que está ganhando.

Bloqueios ambientais e organizacionais: Resultantes das condições e do ambiente de trabalho (físico e cultural):
  • Distrações no ambiente de trabalho, reais ou imaginárias (interrupções, ruídos, telefone, e-mail).
  • Ambiente de trabalho opressivo, inseguro, desagradável.
  • Atitudes inibidoras à expressão de sentimentos, emoções, humor e fantasia.
  • Autoritarismo, estilos gerenciais inibidores.
  • Falta de apoio, cooperação e confiança.
  • Rotina estressante e inibidora.
Bloqueios intelectuais e de comunicação: Inabilidade para formular e expressar com clareza problemas e idéias. Podem resultar de vários fatores:
  • Falta de informação e pouco conhecimento sobre o problema ou situação analisada.
  • Informação incorreta ou incompleta.
  • Fixação profissional ou funcional, isto é, procurar soluções unicamente dentro dos limites de sua especialização ou campo de atividade.
  • Crença de que para todo problema só há uma única solução válida.
  • Uso inadequado ou inflexível de métodos para solução de problemas.
  • Inabilidade para formular e expressar com clareza problemas e idéias.
Bloqueios emocionais: Resultantes do desconforto em explorar e manipular idéias. Eles nos impedem de comunicar nossas idéias a outras pessoas. Alguns exemplos:
  • Medo de correr riscos; desde criança somos ensinados a ser cautelosos e não falhar nunca.
  • Receio de parecer tolo ou ridículo.
  • Dificuldade em isolar o problema.
  • Desconforto com incertezas e ambiguidades.
  • Negativismo: procura prematura de razões para o fracasso, por que não vai dar certo.
  • Inabilidade para distinguir entre realidade e fantasia.
Bloqueios de percepção: Obstáculos que nos impedem de perceber claramente o problema ou a informação necessária para resolvê-lo. Inabilidade para ver o problema sob diversos pontos de vista. Exemplos:
  • Estereótipos: ignorar que um objeto pode ter outras aplicações além de sua função usual. Gutenberg adaptou a prensa de uvas para imprimir livros; Santos Dumont usou a corda de piano para substituir as pesadas e grossas cordas usadas nos balões.
  • Fronteiras imaginárias: projetamos fronteiras no problema ou na solução que não existem na realidade.
  • Sobrecarga de informação: excesso de informações e de detalhes que restringem a solução que pode ser considerada.
Sendo construídos pelos nossos medos, frustrações, ansiedade, imposições da família, sociedade e colegas, os bloqueios funcionam como paredes que nos impedem de sair da nossa linha de conforto. Quando se sentir paralisado e incapaz de pensar diferente, relaxe e procure enxergar essas barreiras. Identifique e procure mudar os modos inibidores como você tende a perceber, definir e examinar os problemas e decisões que enfrenta. A consciência dos bloqueios mentais já é meio caminho andado no desenvolvimento de suas habilidades criativas seja no meio corporativo ou pessoal.


Fonte: Criatividade Aplicada 

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Como gerar um feedback eficiente?

Especialistas apresentam dicas práticas para ter um feedback adequado para chefe e funcionário.
Muito importante para o desenvolvimento profissional, o feedback é uma das ferramentas essenciais para o exercício da liderança. Tanto o líder quanto os membros de sua equipe têm ótimas razões para praticá-lo. A ferramenta é uma ótima oportunidade para que ambos os lados conheçam os pontos de vista recíprocos, e possam contribuir mutuamente para o aumento da performance da equipe.
Propósitos
Do ponto de vista da liderança, o feedback pode ter três diferentes propósitos:
1) Demonstrar a necessidade de melhoria de resultados. Essa é a situação frequentemente designada como "feedback negativo". Embora seja uma denominação comum, se o propósito é melhorar o desempenho, e se conduzida de forma adequada, o impacto é sempre positivo.
2) Reconhecer e incentivar a manutenção do bom desempenho. Nesse caso não há necessidade de melhoria da performance. A entrevista de feedback tem o propósito de reforçar os procedimentos e atitudes que têm gerado os bons resultados, abordagem conhecida como "feedback positivo".
3) Alinhar prioridades de ação. Muitas vezes o desempenho do subordinado é bom, mas seus esforços estão concentrados em atividades não prioritárias. Esse é o momento em que o alinhamento se faz necessário. Muitos colaboradores com perfil de elevada iniciativa acabam por se dedicar às atividades que, a seu ver, carecem de atenção mais rapidamente. Entretanto, nem sempre seu julgamento está alinhado à estratégia do negócio, e é preciso comunicar ao colaborador o que deve ser executado prioritariamente.
Recomendações
A forma de se proceder no momento de exercitar o feedback faz toda a diferença para que os propósitos sejam alcançados. Conheça a seguir alguns cuidados fundamentais a se tomar no processo de feedback:
- É fundamental que o gestor se prepare, antes de tudo. Deve, por exemplo, reservar um local em que haja privacidade para conversar a fim de que o funcionário se sinta à vontade durante o processo.
- As colocações não devem nunca ter cunho pessoal.

- Ao receber o feedback, o funcionário deve encará-lo como um presente que, às vezes, pode não lhe agradar. Se a avaliação feita não corresponder à sua autoavaliação, o ideal é refletir e procurar entender os motivos pelos quais é percebido dessa maneira, sem considerá-la como crítica pessoal.
- O feedback, para ser realmente efetivo, precisa ser exercitado no "timing" correto - logo após o fato a ser destacado - pois, do contrário, se aplicado muito tempo depois do fator gerador, perde a força.
- Por questões culturais acabamos usando mal o feedback positivo ou de reforço. É muito comum que líderes usem o 'mas' para incluir na conversa algum ponto a ser melhorado, o que acaba por tirar a força positiva da conversa, deixando o tom amargo. É importante sempre separar os dois momentos do feedback para deixar claro quando estamos tratando de um reconhecimento ou de uma orientação.
- Sobre o feedback de reorientação, além do "timing" correto é essencial estar atento quanto à escolha das palavras, e checar se o liderado entendeu a mensagem corretamente para evitar que reste somente um sentimento de frustração ao final do processo.
- Embora muitas organizações já tenham em seus calendários as reuniões de avaliação formalmente estabelecidas, é importante lembrar que o dia a dia exige feedbacks mais frequentes.
- É importante utilizar a reunião de feedback também como uma oportunidade para conhecer o ponto de vista do colaborador, de forma a identificar suas necessidades, expectativas e opiniões sobre a liderança.
- O processo deve ser conduzido tendo por base honestidade, abertura, transparência, e intuito de colaborar com os melhores resultados.
- É uma oportunidade também para se analisar o quanto o perfil do colaborador está alinhado ao do cargo. Pode-se chegar à conclusão que suas competências sejam mais bem aproveitadas em outra posição da organização.
Críticas ou feedback?
Todas essas considerações contribuem para que o feedback seja exercitado de forma eficiente e eficaz. A falta de atenção a esses cuidados pode levar o processo a um relato de "críticas", que, por sua vez, têm sim pouco a contribuir para a melhoria de performance. Se um líder de equipes se dirige ao subordinado dizendo que ele é "relapso", por exemplo, como o colaborador poderá melhorar? Não há nenhuma objetividade nessa declaração. Não há respeito, não são demonstrados fatos, critérios de desempenho, comportamentos ou procedimentos a serem modificados. Simplesmente um adjetivo de interpretação muito subjetiva. É importante refletir, então, se o que temos a comunicar é de fato um feedback ou então se trata de uma crítica mal conduzida. 

Por: Adriano Bom 
Fonte: Yahoo Finanças 

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

É preciso negociar

Na hora de fechar um acordo, esteja pronto para fazer concessões. Assim, você ganha o negócio e pontos para o futuro 


A EDS, uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, passou a gerenciar o centro de processamento de dados da Telesp, operadora de telefonia fixa do grupo Telefônica, que atua em São Paulo. O valor do contrato não foi revelado, mas estima-se uma receita anual de cerca de 100 milhões de reais. Nos bastidores estava o mexicano Micael Cimet, presidente da EDS para a América Latina. Orgulhoso de manter relações duradouras com seus clientes, Cimet também se depara com situações difíceis à mesa de negociação.

Criar empatia e buscar uma solução que satisfaça a ambos os lados é a principal estratégia usada para contornar eventuais problemas, além de chegar de mente aberta e sem resistência para conversar. Negociar não significa guerrear. Um negociador de primeira linha é aquele que se baseia na parceria e na transparência. Atualmente vivemos em uma constante mesa de negociações onde todos participam inclusive você.

No ambiente de trabalho, para dar conta de suas responsabilidades você depende da cooperação e do apoio de pessoas de diferentes funções. Sua habilidade em costurar acordos determina seu grau de influência no ambiente. Compreender na totalidade o jogo da negociação representa atualmente uma tremenda vantagem competitiva. Mas nem sempre as negociações são simples e têm desfechos rápidos. Muitas são complexas e exigem mais que habilidades medianas. Como lidar, por exemplo, com pessoas razoáveis que, sob estresse, se tornam agressivas e intratáveis? Com alguém que foca somente em seu próprio interesse e se recusa a ceder?

A negociação não é uma ciência exata nem possui receita pronta. A boa notícia é que qualquer profissional com autoconfiança e algum poder de persuasão pode aprimorar sua capacidade nesse campo. Negociar é, sobretudo, uma questão de atitude. Ela se faz de 10% de técnica e 90% de atitude. Veja a seguir como lidar com os entraves mais comuns das negociações -- para chegar a um desfecho no qual você e seu interlocutor saiam vitoriosos:

Diga não ao não

Qualquer pessoa está sujeita a deparar com tipos como esses do outro lado da mesa de negociação. O mais comum é topar com um interlocutor que insulta e ataca diretamente as propostas alheias, tática tipicamente competitiva. A regra de ouro, nesse caso, é não ceder nem revidar na mesma moeda, isso só intensificará o confronto. Invente várias opções, para tentar acomodar ao máximo seus interesses aos de seu interlocutor. Quanto mais alternativas você tiver na manga, maiores as chances de romper eventuais confrontos.

Razão versus emoção
Se o processo está caminhando bem, você fica satisfeito. O problema é quando sente que suas necessidades não estão sendo atendidas. Quando isso acontece, é fácil se deixar levar pelas emoções. Bons negociadores podem até se envolver emocionalmente, mas não deixam que isso transpareça. É preciso manter o distanciamento, seguindo em frente de maneira persistente. Levar a negociação para o lado pessoal é um dos piores erros.

A arte de ceder
Não há espaço para a falta de jogo de cintura na negociação. Para que ambas as partes saiam satisfeitas, é preciso que cada uma ceda um pouco. Numa transação difícil, não basta mostrar à outra parte que você pode conceder-lhe o que ela deseja. Quase sempre as pessoas não consideram esse tipo de demonstração e aumentam suas exigências. Existem os negociadores que fazem pequenas concessões e pedem que você faça outras bem maiores em retribuição. Ou, então, os tipos manipuladores, cuja estratégia preferida é solicitar pequenos favores pouco antes de o acordo ser fechado. Com receio de arruinar o negócio e, por tabela, o relacionamento, a maioria capitula. A recomendação, no entanto, é ter sempre uma oferta na manga e não reagir de maneira compreensiva às necessidades de última hora.  

Impasse à vista
Impasses ocorrem por falta de empatia e sintonia entre as partes, ou quando os ânimos se exaltam e a tensão toma conta do ambiente. Para tentar transpor o muro entre você e seu interlocutor, o ideal é sugerir um intervalo e retomar o processo outro dia. Aproveite para reavaliar suas expectativas e retorne à mesa com novas soluções. Se a tentativa de acordo fracassar, solicite a presença de uma terceira pessoa. Alguém imparcial que auxilie ambos os lados a reestruturar a negociação. É melhor não fazer um acordo do que fechar um acordo ruim. O importante é deixar que seu interlocutor guarde uma imagem positiva de você para o futuro.

Não brinque com fogo
Você deve estar disposto a correr riscos enquanto negocia. Sempre se valendo da inteligência e do bom senso. Mas utilizar estratégias de alto risco (ameaças, estratagemas e blefes) é como brincar com fogo. Muitos negociadores oferecem ao oponente uma cadeira baixa ou quebrada, colocam-no posicionado contra o sol, exageram na temperatura do ar-condicionado, por exemplo. O objetivo é sobressair, deixando o outro lado subjugado e desconfortável. Bons negociadores jogam limpo e são confiáveis. Eles sabem que basta um deslize ético para sua credibilidade ficar comprometida, não somente para um mas para todos os acordos.

Seu território, meu território
É bem mais provável que a maior parte dos acordos seja feita por telefone, e-mail ou no decorrer de um agradável jantar de negócios do que propriamente diante de uma mesa. Ela representa um poderoso símbolo, e nenhum simbolismo é bom nessas horas. Especialistas garantem que as pessoas atuam melhor em seu próprio território. A negociação está diretamente ligada ao tipo de relacionamento que você cultiva com o outro.

É preciso dizer não
Diógenes Dalle Lucca, comandante do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da polícia paulista, enfrenta a negociação para libertação de reféns e uma das maiores dificuldades do processo é acalmar o sequestrador. A técnica usada pelo comandante serve de exemplo. É mantido o contato visual além da voz calma e pausada. Se o seu “oponente” fizer exigências, nem sempre elas devem ser atendidas. É preciso criar empatia, mas permanecer firme, sob o risco de perder a credibilidade. Concessões de ambos os lados fazem parte da negociação. Assim como o comandante Lucca faz com sequestradores, é preciso reunir dados sobre o outro lado. Ao final da operação, deve-se ainda analisar os erros e acertos do processo para estar ainda mais preparado no futuro.


Por: Letícia Colombini  

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Como estimular a geração de grandes idéias

Qual a diferença entre uma boa ideia e uma grande ideia? Segundo o premiado autor e colunista do Inc.com, Kevin Daum, as boas ideias vêm o tempo todo e ajudam as pessoas a resolver aqueles pequenos problemas no dia a dia, no trabalho e na vida. 


Já as grandes ideias surgem com menos frequência e exigem um pouco mais de trabalho para serem executadas. Contudo, o grande desafio de gerá-las é livrar-se dos pensamentos convencionais que ocupam nossos cérebros na maior parte do tempo. Leia a lista com sete dicas para ajudá-lo a abrir a mente e estimular a geração de idéias.

1 - Faça sessões de observação


Grandes ideias não acontecem do nada. Você precisa estimular seu cérebro a pensar em coisas novas e criativas. O autor recomenda dedicar um momento específico para isso. No caso de Daum, que é de Nova York,  seu método favorito é observar e se inspirar com o comportamento das pessoas no seu dia a dia em Manhattam. Segundo ele, é possível fazer o mesmo em qualquer ambiente cheio de pessoas, como em  grandes avenidas ou até mesmo no shopping.

 

2 - Socialize com pessoas fora do seu círculo


Andar sempre com os mesmos amigos e colegas de trabalho pode bloquear seus pensamentos. Aproveite suas conexões nas redes sociais e inicie conversas interessantes. Pessoas fora do seu círculo de amizade não sabem todos as suas formas de pensar nem suas histórias antigas, então você vai ter que rever seus monólogos interiores. Novas perspectivas estimulam novas ideias.

 

3 - Leia mais livros


Os livros são maravilhosos para  criar novos pensamentos e estimular grandes ideias. Incluir livros de negócios em sua rotina significa começar a aprender mais e a expandir sua maneira de pensar. Histórias de ficção e romances saem do escopo diário e são capazes de ativar o “gerador de ideias”. Mesmo se você não tenha tempo para ler um romance, vá a uma livraria e passe uma hora pesquisando por lá, vai encontrar muito estímulo.
 

 

4 - Navegue aleatoriamente pela internet


Buscadores são ótimos quando você sabe o que procura, mas a melhor maneira de gerar novas ideias é pelo aprendizado inesperado. Tire uma hora por semana para navegar aleatoriamente em um site de notícias. Tente buscar referências inusitadas para estimular ainda mais o seu cérebro.

 

5 – Crie um diário


Diários são ótimos para recordar pensamentos, sentimentos e a história da sua vida. Mas também são excelentes para estruturar e desenvolver novas ideias. Se você não tem um diário, comece um hoje! Se você já tem, comece a adicionar a frase “essa é a minha nova ideia do dia” em seus relatos.

 

6 – Medite


É difícil ter novas ideias quando sua cabeça está cheia de preocupações. A meditação é capaz de ajudá-lo a clarear a mente em meio à rotina de trabalho e estresse, e, então, você poderá focar no seu futuro tranquilamente. Comprometa-se a meditar duas horas por semana e você começará a ver novas ideias fluindo.

 

7 – Faça exercícios para o cérebro


Simples exercícios estimulam seu cérebro a trabalhar de forma concentrada para gerar grandes ideias. Com um parceiro, tire 10 minutos (cronometrados) para chegar a 42 ideias sobre um tema ou problema específico. Você pode pensar só em 30 ou 35, mas não importa. Você verá que surgirá pelo menos duas ou três jóias nesta lista.

Segundo o colunista, todos estes métodos requerem um compromisso de tempo energia, mas essa é a chave para grandes ideias. Você precisa dar ao seu cérebro tempo e espaço para que ele trabalhe para você. Se você tentar cada um desses métodos, você verá surgir uma ou duas grandes ideias. Certifique-se de registrá-las. A execução é com você.


Fonte: Yahoo Finanças 

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Marketing pessoal em 19 mini-lições

Existe muito mito em torno do tal marketing pessoal, muita discussão para pouca ação. O marketing pessoal é simples e tem mais a ver com comportamento pessoal e atitudes, do que conceitos e teorias. É algo sutil e permanente.Você deve trabalhar para ser um excelente profissional. Ao contrário do que muitos pensam, marketing pessoal não é sair por aí espalhando aos quatro ventos suas qualidades. Antes disso, é preciso praticar tais atributos a tal ponto que as pessoas se lembrem de você por causa deles. Leia a seguir 19 mini-lições para ajudar a desenvolver o seu Marketing Pessoal:

Marketing pessoal é… Dar “bom dia” todos os dias, independente do seu humor.
Marketing pessoal é… Fazer diferente.
Marketing pessoal é… Dizer “por favor” e “obrigado” sempre que pedir alguma coisa.
Marketing pessoal é… Ser um gentleman ou uma lady.
Marketing pessoal é… Usar o português correto.
Marketing pessoal é… Saber ouvir e valorizar a opinião alheia.
Marketing pessoal é… Falar bonito usando palavras comuns.
Marketing pessoal é… Sempre responder e-mails, e pedir desculpas quando demorar.
Marketing pessoal é… Vestir-se adequado ao ambiente, nem de mais nem de menos.
Marketing pessoal é… Deixar claro aonde você quer chegar.
Marketing pessoal é… Saber elogiar
Marketing pessoal é… Ter um blog ou site que promova seu trabalho (qualquer trabalho, não necessariamente o seu atual.)
Marketing pessoal é… Ter um nome que vai além do currículo.
Marketing pessoal é... Manter o tom de voz sempre ameno.
Marketing pessoal é… Ter opinião própria, mesmo que não agrade a todos.
Marketing pessoal é… Nunca abreviar palavras em e-mails.
Marketing pessoal é… Ter algo que os outros admirem.
Marketing pessoal é… Querer aprender e não ter vergonha de ser ensinado.

Marketing pessoal é… Demonstrar gratidão.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Quem ajuda na vida tem mais chance de subir na carreira

Pesquisa mostra que profissionais que se colocam à disposição para ajudar colegas são mais reconhecidos e têm mais oportunidades de crescimento

Um novo estudo feito pelo Insper, de São Paulo, com mais de 100 profissionais mostra que ajudar colegas de trabalho produz efeito positivo na construção de uma rede de contatos. Segundo a pesquisa, o exercício da cidadania organizacional – que o Insper define como a disposição a dar um apoio que excede o escopo do trabalho para beneficiar a companhia ou um funcionário – pode contribuir para que o profissional que prestou o auxílio seja recomendado por colegas em projetos e vagas de trabalho.

De acordo com o estudo, atitudes positivas direcionadas a uma equipe funcionam melhor do que gestos direcionados a apenas uma pessoa. “Funcionários confiam mais em quem olha para coletividade”, diz Sean White, psicólogo e especialista do núcleo de carreiras do Insper, um dos responsáveis pela pesquisa.

Em sua opinião, é importante prestar atenção nas demandas do grupo para reforçar contatos. Relações estabelecidas fora do ambiente de trabalho, como em Happy Hours, encontros em associações, clubes ou igrejas, também conduzem à recomendação. Quem se doa para os outros tende a ter um crescimento mais rápido”, afirma Fernando Schmitt, diretor de unidades regionais da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham). Segundo ele, a consciência de que a aprendizagem do grupo importa mais do que a individual é uma das características dos profissionais de sucesso.

“Meu lema é fazer para ter, pois nada vem de graça”, diz Felipe Siqueira, de 33 anos, controller da subsidiária uruguaia da White Martins, fornecedora de gases industriais. Felipe diz que o segredo de manter bons relacionamentos no trabalho (e fora dele) é o comprometimento com a empresa e com os colegas de trabalho. 

A receita também exige que o profissional não espere retorno imediato por sua benevolência. Para chegar onde chegou, Felipe assumiu alguns desafios e sempre manteve a disposição para contribuir. Em 2011, quando era gerente interino de controles internos da White Martins no Brasil, resolveu ser voluntário em um projeto da empresa na Venezuela, já que nenhum dos executivos convidados aceitou ir. Não haveria aumento de salário nem promoção, e ele teria que embarcar em uma semana. “Decidi ir para contribuir e mostrar que estou disposto a assumir desafios”, afirma. Deu certo. Depois de três meses, ele voltou para o Brasil e assumiu a gerência de uma nova área. Após um ano, foi convidado a gerenciar todas as áreas ligadas a finanças na unidade da empresa no Uruguai.

Mas nem sempre essa ajuda exige sacrifícios. Ela pode estar em pequenos gestos, como orientar alguém a organizar melhor suas pastas de e-mail ou se oferecer para marcar reuniões e almoços. “Quando você se mostra solidário, ganha notoriedade”. É como se estivesse acumulando créditos para outros projetos”, diz José Augusto Minarelli, presidente da Lens & Minarelli, consultoria em recolocação e aconselhamento na carreira, de São Paulo. Quanto mais disposição você tiver em ajudar o outro e em pensar além da sua área, mais as pessoas vão confiar em você e lembrar seu nome na hora de um novo trabalho. No fim, todos ganham.

Como contribuir:
Quatro atitudes que reforçam a chamada cidadania organizacional.
1 – Esteja disponível – Para se destacar é necessário ter disposição para ajudar os demais. A capacidade técnica importa, mas o profissional que vai além da sua função pelo bem-estar do grupo cresce muito mais do que aquele igualmente capacitado que apenas age dentro de sua área.

2 – Faça aquilo que ninguém que fazer – Sabe aqueles trabalhos mais operacionais que ninguém que fazer, como marcar reuniões ou almoços e reservar salas para eventos? Solidarizar-se para ajudar nessas atividades mais técnicas. Outra sugestão interessante é auxiliar as pessoas a realizar essas tarefas de maneira mais rápida, se você tem facilidade para isso. 

3 – Compartilhe conhecimento – Se você tem domínio sobre algum processo, como redigir propostas e navegar nas redes sociais, ou tem facilidade em um segundo idioma, e percebe que um colega está com dificuldade para, tente ajudá-lo. Não se trata de fazer por ele, e sim orientá-lo.

4 – Saiba receber – Seja atencioso com quem chega à empresa ou muda de área. Mostrar como são os projetos e apresentar as pessoas são atitudes simples, mas que mostram solidariedade.


Fonte: Você SA